10 de fevereiro de 2009

arte da dissimulação

Para um ator é necessário – para o exercício da profissão – interpretar inúmeros personagens. Antigamente, no teatro as máscaras eram utilizadas como peças de caracterização, as quais ajudavam os atores a compor um personagem. Por um período de tempo, o ator, na apresentação do seu trabalho, finge ser outra pessoa. Todo esse esforço visa tornar um personagem fictício em alguém “real”, provocando e arrancando as emoções desejadas dos espectadores.

Em muitas ocasiões (quase todas), podemos correr o risco de fazer da vida um teatro; fingindo e convencendo outra pessoa com falsas impressões.
No nosso dia a dia, facilmente identificamos momentos em que também representamos. Muitas vezes, temendo complicar uma situação ou querendo ser educados, fingimos ter gostado de determinada comida, mesmo que esta esteja sem sal, somente para não desagradar a quem nos oferece (por uma boa causa,não?). Da mesma forma, se alguém nos telefona em hora inoportuno, fingimos estar ocupados para encurtar a conversa; entre outras desculpas (faço isso direto :$).

Ainda dentro desse contexto, há empregados que fingem trabalhar. Na roda de amigos se uma pessoa achar conveniente personificar um “santo” agirá como tal. Diante da namorada, se for interessante, fingir-se-á (mesóclise?kk) ser carinhoso. Diante do patrão muitos empregados parecerão aplicados… Seja de um modo ou de outro, acabamos por aprender a arte da dissimulação.

Nada disso será problema para quem se habituou a representar e a viver mais um papel. Mas o perigo de tantas simulações é torná-las um hábito a ponto de se tornarem espontâneas ou dignas de fé.
Como um “camaleão” a pessoa será capaz de “atuar” mediante suas necessidades, buscando sempre tirar vantagens por meio do convencimento.
Por mais inofensivas que possam parecer tais interpretações, elas passam a fazer parte da vida de quem está acostumado a fingir, dificultando-lhe o discernimento entre o que é real e o que é ilusório.

O fingido quando contestado, insiste em dizer ser verdadeiro (de um modo estupendo por sinal!!); e acreditando na sua versão, poderá até jurar. Contudo, para quem está habituado a interpretar, tal juramento será mais uma performance.

Todavia, na convivência diária, nada fica oculto. Cedo ou tarde, será impossível não perceber os deslizes de quem dissimula.
Antes que a arte de imitar saia dos palcos e adentre em nossos relacionamentos, melhor será não mascarar os fatos da vida real. Pois, triste será a decepção...


-> Obrigada aos selos recebidos!! *_*

14 comentários:

...vdj... disse...

Como a energia circula de forma inexplicada!

Gostei do texto... e cabe direitinho numa situação que estou assistindo (felizmente) de camarote.

Saudações!

[]'s
.
.
.

Elizeu Soares disse...

Olá,
Passando rapidinho...
Realmente viver com mascaras no dia a dia não vale a penas, pois é melhor ser o que é para ser verdadeiramente querido e amado ...
Fica na paz...

Mayana Carvalho.♥ disse...

é dessa forma. Muitas vezes as pessoas se acostumam tanto a fingir que trazem pra si a infelicidade por serem uma farça.. e isso abrange uma serie de outros problemas..
Algumas vezes é preciso atuar, pra não machucar, não ferir.. Mas isso nõ significa que se deve fazer disso um costume diário!

Beijos

Nathállia Fhae ~εϊз disse...

É vero. As máscaras SEMPRE caem.
Já leu "Filhos brilhantes, alunos fascinantes"?
Acho que quem mais finge é quem menos gosta de si. Quem gosta de si tem autoconfiança e sabe que as pessoas vão gostar dela mesmo com seus defeitos.
E mais: Por que a gente se força a ser tão perfeito? Buscar a perfeição é natural, mas a gente tem que aprender que, mesmo tentando, ninguém consegue
=/
Boa semana!!!
;****

Deusa disse...

Ja cansei de falar q ninguem consegue fingir 24hs ou a vida inteira, concordo com vc, mas pior e qnd vc depende de uma outra pessoa para ver isso e essa mesma pessoa finge nao ver.

Bjim

Thiago Assis disse...

Somos todos atores dessa grande peça que é a vida. Pena que alguns preferem ter vários papéis no lugar de ter apenas um: o de ser você mesmo.
:/
Falsidade é phoda :x
E quando ela tá na cara é pior ainda, dá até pena da pessoa que tá sendo falsa Oo


www.thiagogaru.blogspot.com

Taty Maria disse...

Realmente o melhor será não por as máscaras!!! Q bom q vc tah gostando do meu blog!!
bjus

Max João disse...

Concordo com o que escreveu, hoje as pessoas se deixam levar muito a sério pelas vidas fictícias da midia, e tornamos nossa vida num teatro, novela ou outra coisa. Mas a coisa mais valiosa é ser quem vc é realmente, sem máscaras, e num circulo de amizades não tem como deixar vc por oculto, todos os amigos sabem quem nós somos de verdade. Assim Jesus também quer que sejamos verdadeiros e que sejamos o que somos !
Boa Tarde.
Lindo texto.
Deus te Abençoe !

Thaís A :) disse...

Tô passando rápidonho aqui. Não li o post por causa da pressa, desculpa :/
Parabéns pelos seelos, você merece!

Daniel Savio disse...

Ai, ai, que texto reflexivo (e inspirado) foi este senhorita Nathália?

E parabéns pelos selos.

Fique com Deus, menina.
Um abraço.

Atreyu disse...

Máscara? Nuncaaaaaaaaaaaaa!!!!
Adorei o txt! =D

Jefferson Araújo. disse...

Achava-me de cara limpa: sem mascáras, maquiagens ou artifícios... mas diante do que você apresentou, tenho que admitir que represento ("-Agora não posso falar, estou saindo para um compromisso...").
Mas de fato existem pessoas que fazem de suas mentiras uma realidade e mente não por maldade (hum... será?!?!), mas pelo fato de estarem viciadas na mentira.
Conheço pessoas assim.

Boa a reflexão. Ótima para se analisar.

Prii Carvalho disse...

Infelizmente existem pessoas que interpretam tão bem, que acabam acreditando em si. Parece loucura, mais já vi esse filme, é bizarro!


Eu adorei o blog!
Besos

Varda disse...

No fundo somos todos atores.